Home Sudeste Minas Gerais A EXPOCACHAÇA 2019

A EXPOCACHAÇA 2019

15 min read
0
783

BELO HORIZONTE/MINAS GERAIS – BRASIL – Centenas de marcas de cachaças estarão em exposição – As Terras Altas de Minas Gerais produzem, em seus quase nove mil alambiques, a mais apreciada cachaça do Brasil. Os valores de uma cachaça estão hoje, por obra de contribuições apaixonadas e abnegadas, preservados em espaços de consumo, de promoção, de memória e também em trabalhos de resgate cultural, arte e ciência, que poderão ser apreciados nesta obra, a qual pretende trazer à luz e congelar no tempo, para registro e referência, um pouco da cachaça.

Um produto que pela sua importância é hoje patrimônio cultural de Minas Gerais por Lei Estadual e bebida nacional do Brasil por Decreto Federal .Belo Horizonte será a capital da cachaça de 06 a 09 de junho, quando acontece, a 29ª EXPOCHAÇA e a 13ª BRASILBIER, no Expominas, a maior e mais importante e conceituada vitrine mundial da cadeia produtiva e de valor da cachaça, no formato consagrado B2B-FEIRA e B2C-FESTIVAL. Hoje ela é um evento que nasceu em Minas Gerais em 1998, a 21 anos e ganhou a liderança no Brasil e visibilidade mundial.A Feira será realizada em conjunto com a 13ª BRASILBIER unindo as duas cadeias produtivas de bebidas artesanais a cachaça e as cervejas artesanais.

A EXPOCACHAÇA foi a principal responsável pela visibilidade atingida e pelo status de destilado nobre retirando a cachaça do gueto a que esteve relegada por muitos anos, dando promoção e divulgação à bebida nos mercados interno e externo.

Formato do evento

Sucesso do evento esta em seu formato de feira : b2b e festival : b2c, uma proposta aberta com uma programação mais eclética e complementar, onde negócios, lazer, entretenimento, gastronomia, turismo, cultura e espetáculo interagem e convivem harmonicamente, dando o molho necessário para o encantamento do público, o sucesso na comercialização de produtos e a visibilidade junto aos patrocinadores e a mídia.um evento de negócios b2b business 2 business : feira e b2c: business 2 consumer festival: pois não há como formar novos clientes e consumidores e eliminar preconceitos sem o festival, sem a degustação, sem o consumo.Duas cadeias produtivas a da cachaça com a EXPOCACHAÇA e a da cerveja com a BRASILBIER são realizadas juntas desde 2007 com grande sucesso.

EXPOCACHAÇA é o evento pioneiro criado em 1998 , sendo a maior e mais importante feira e festival do agronegócio da cadeia produtiva e valor da cachaça do mundo, são 22 anos de atividades e 28 edições realizadas, com o público de 2.242.000 visitantes, movimentando R$ 110 milhões em mídia expontânea, R$ 400 milhões em negócios realizados na feira e no pós-feira . Em 2018 foram 13.750 m2 de montagem entre estandes e espaços de expositores e eventos.


Os segredos de fazer a boa cachaça estará em exposição

Utilizar a força e o pioneirismo do evento e a sua posição de maior e mais conceituada Feira e vitrine da cadeia produtiva da cachaça do mundo, para fomentar negócios, promover e divulgar os produtos , serviços, equipamentos e insumos da cadeia produtiva e de valor da cachaça e produtos afins. Promover ações estratégicas de modo a ter influência nos ambientes políticos institucional da mídia e do mercado, gerando impactos significativos nas tomadas de decisões em prol da promoção, divulgação e desenvolvimento do setor.

|
Nos estandes o público prova a cachacinha e pode levar  para a casa a famosa amarelinha e branquinha. 

Permanecer como a maior, a mais conceituada e representativa vitrine da cadeia produtiva da cachaça do mundo, mantendo a seu desenho de Feira- B2B e Festival – B2C e o seu foco em negócios, entretenimento, diversão, lazer, turismo, gastronomia e cultura, que tanto sucesso faz junto aos seus expositores, público e mídia. Atender com eficiência e excelência e com visão de futuro, toda a cadeia produtiva da cachaça, seu público expositor, fornecedores, visitantes e mídia, cumprindo a sua função com inovação e responsabilidade social, de modo sustentável. Museu de Sant’Ana, em Tiradentes, e do Oratório, em Ouro Preto, fecham as portas temporariamente


Museu de Sant’Ana é um dos principais pontos turísticos de Tiradentes 

Dois dos mais importantes museus de Minas Gerais, o de Sant’Ana, em Tiradentes, e o do Oratório, em Ouro Preto, vão fechar as portas temporariamente. Um comunicado divulgado pelo Instituto Flávio Gutierrez, mantenedor das instituições, informa que desde o dia 6 de maio, as equipes que atuam nos dois museus entrarão em férias coletivas até 5 de junho na expectativa de nesse período viabilizar captações para a manutenção dos mesmos.


Acervo de 291 imagens no casarão do museu

 O Museu de Sant’Ana foi aberto em setembro de 2014 e funciona no prédio que abrigou a antiga cadeia pública de Tiradentes. É um dos museus que mais recebe visitantes no estado e conta com um acervo de 291 imagens da santa que é a mãe de Maria e a avó de Jesus Cristo. Já o do Oratório, inaugurado há mais de 20 anos, reúne 162 oratórios e 300 imagens que datam do século 17 ao século 20. O museu se localiza num casarão histórico na antiga Vila Rica, anexo à Igreja de Nossa Senhora do Carmo.


Museu do Oratório em Ouro Preto foi fundado em 1998

Em janeiro, a presidente do Instituto Flávio Gutierrez, Angela Gutierrez, informou as dificuldades de se manter os espaços e já cogitava fechá-los, devido as mudanças na Lei Rouanet, o principal mecanismo de fomento à cultura do Brasil.


Oratórios de várias épocas guardam a história religiosa

“A gente não sabe ainda se a lei será modificada. É grande a desinformação e, claro, houve quem fez mau uso dela. Muitos patrocinadores temem investir porque estão confusos. Sem contar que o Ministério da Cultura se transformou em secretaria. Nosso instituto sempre captou por meio da Lei Rouanet, mas agora não sei como vai ser”, declarou na época Angela Gutierrez.

Isenção de vistos já reflete no número de reservas no Brasil

O interesse de visitantes estrangeiros pelo Brasil aumentou consideravelmente após isenção de vistos para Estados Unidos, Japão, Austrália e Canadá, segundo dados divulgados pelo Grupo Amadeus, uma das maiores empresas de tecnologia e viagens do mundo. A alta expressiva no número de reservas para destinos brasileiros ocorre justamente entre cidadãos dos quatro países beneficiados pelo anúncio da isenção de visto, assinada em 18 de março pelo governo federal.

Só nos Estados Unidos, foi registrado um crescimento de 53% nas reservas para junho na comparação com 2018, enquanto para julho alcançou 97%.

Já no Canadá, o crescimento foi de 86% para junho, 54% para julho e expressivos 135% para agosto deste ano. Para as reservas já realizadas pelo Japão, o crescimento em junho deste ano será de 150% em relação ao mesmo mês em 2018. A alta segue nos meses seguintes, com 60% em agosto e 158% em setembro. Na Austrália, o crescimento foi de 86% em junho, 54% em julho e 135% em agosto.

Os dados mostram ainda que as pesquisas dos Estados Unidos pelo Brasil como destino turístico aumentaram 31% por dia. Em abril, o crescimento foi de 76% e, em março, de 58%, sempre relativos aos mesmos períodos em 2018. No Canadá e na Austrália, as pesquisas, em abril, cresceram 37% e 36%, respectivamente, e no mês de março, 44% e 53%, respectivamente.

Demanda antiga da cadeia produtiva do turismo, a medida de facilitação de entrada no país, que contempla quatro países considerados estratégicos para o turismo no Brasil, pretende ampliar o número de visitantes estrangeiros, gerando divisas e criando empregos no país. A expectativa é de que a medida permita ao Brasil atingir a marca anual de 12 milhões de visitantes estrangeiros até 2022, meta prevista no Plano Nacional de Turismo 2018-2022.

Coluna Minas TURISMO Gerais
Jornalista Sérgio Moreira
Informações para:
sergio51moreira@bol.com.br