Home Sudeste Minas Gerais Coluna Minas TURISMO Gerais – Escreve jornalista Sérgio Moreira

Coluna Minas TURISMO Gerais – Escreve jornalista Sérgio Moreira

6 min read
0
282

BELO HORIZONTE/ MINAS GERAIS -Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que os estados e municípios sejam responsáveis por implementar o chamado “passaporte sanitário”, também conhecido como “passaporte da vacina”. A medida restringe o acesso de cidadãos não vacinados contra a Covid-19 a uma série de estabelecimentos, serviços e espaços.

Diante disso, a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação Fora do Lar (FBHA) se posiciona contra essa determinação, pois, segundo Alexandre Sampaio, presidente da FBHA, a medida causa insegurança jurídica à população. O passaporte da vacina deveria ser tratado de maneira unificada nacionalmente, ou seja, pela União que representa todo o governo federal, uma vez, que, saúde é um tema de abrangência nacional representado por um Sistema Único de Saúde, instituído constitucionalmente. Uma alternativa menos traumática para a população, seria as prefeituras exigirem aferição de temperatura na entrada de bares e restaurantes.

“Temos mais de 5.300 municípios no Brasil, com cada um determinando se exige ou não o passaporte, gera insegurança e instabilidade aos cidadãos. Além de que, o cidadão só é obrigado a fazer alguma coisa, ou deixar de fazer se for através de uma lei formal votada pela Casa Legislativa de cada município e não é isso que vem acontecendo”, explica.

Após a determinação do STF, as medidas de restrição à locomoção estão acontecendo através de decretos dos prefeitos, que são decretos qualificados como “autônomos”. Na prática, esse tipo de decreto se presta a fazer a vez de uma lei formal, o que é considerado inconstitucional, visto que fere a legalidade estrita que está no artigo 5º da Constituição da República.

“O cidadão só é obrigado a fazer alguma coisa, ou deixar de fazer se for através de uma lei formal votada pela Casa Legislativa Municipal. Apesar da decisão do STF, a Federação entende que isso causa insegurança jurídica, gera confusão e restringe direitos e garantias individuais através de um instrumento que não é uma lei formal”, conclui Alexandre Sampaio.

Peter Paul Santos Mangabeira é o novo presidente da ABAV/MG


Alexandre Carvalho será substituído por Peter Mangabeira no biênios 2021/2023

Peter Paul Santos Mangabeira, diretor da Pampulha Turismo, é o novo presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de Minas Gerais — Seção Minas Gerais (ABAV-MG) para o para o biênio 2021/2023.

Ele substitui Alexandre Carvalho. A eleição aconteceu dia 29 de outubro, e definiu também a nova diretoria executiva e conselheiros da entidade.

Mangabeira é um velho conhecido do trade turístico mineiro e está no turismo desde 1991, onde assumiu a direção da agências de viagens e receptivo Pampulha Turismo aos 24 anos. Desde 2003, já passou por várias gestões da Abav-MG. Um dos principais objetivos do novo presidente é fortalecer o quadro de associados e trabalhar na qualificação dos profissionais do turismo.

Novos diretores da ABAV MG

Compõe a nova diretoria Alexandre Xavier Brandão (vice-presidente financeiro), Daniel Toledo (vice-presidente administrativo), José Maurício de Miranda Gomes (vice-presidente de relações institucionais), Gilberto Siqueira (vice-presidente de patrimônio), Andréia de Oliveira (vice-presidente de capacitação e certificação) e Athenais Vilhena (vice-presidente de marketing e eventos).

Coluna Minas TURISMO Gerais 
Jornalista Sérgio Moreira
[email protected]